Inbound Marketing

Inbound 8 de junho de 2014 1 Comentário Postado por Ramon Sala

Este artigo tem como objetivo explanar e diferenciar o Inbound Marketing dos outros métodos tradicionais de marketing e propaganda. Começamos falando sobre a diferença fundamental entre Inbound e Outbound Marketing, damos continuidade com um passo a passo sobre om método Inbound e concluímos com algumas dicas que podem te auxiliar.

O que é Outbound Marketing? É o comercial convencional, é ser intrusivo no espaço pessoal do público, é como você gritar que tem um produto ou serviço. Esse é o marketing que as grandes corporações utilizam: quem tem muito dinheiro, gasta muito para se promover. É o típico “aluguel” de espaço na mídia, e quando o aluguel acaba você perde o espaço e o dinheiro.

E o Inbound Marketing? É o contrário do Outbound, é não interromper as pessoas, mas sim participar da conversa entre elas, ganhar a atenção que você quer a partir de um conteúdo que seja relevante para o usuário. Usar a mente, baseado na entrega de conteúdo para o consumidor. Diferente do Outbound, ao invés de se gastar dinheiro, gasta-se cérebro. Os clientes serão atraídos pela qualidade do conteúdo que produz. É falar para as pessoas certas o que eles querem ouvir.

Ao contrário do Outbound Marketing, você não estará mais alugando espaço na mídia por tempo determinado, você estará solidificando seu espaço pelo tempo que precisar, construindo uma audiência, gerando conteúdo que ofereça valor ao cliente.
O método de Inbound Marketing consiste num funil em que trabalhamos com a perspectiva de escalar o que fazemos, automatizar ao máximo a produção de conteúdo, e converter o público que tem acesso ao seu conteúdo em clientes.

Passo 1: o plano.
Nessa parte você deve, primeiramente, conhecer quem é o público-alvo da empresa. Você vai precisar de informações sobre o cliente, tais como quem ele é, o que ele faz, e como faz, para poder traçar um perfil do seu público. É importante saber também o que ele procura, o que ele quer saber, prestar atenção no que ele não perguntou diretamente, ou não teve oportunidade de perguntar. Saber o que impede aquela pessoa de comprar seus produtos. Com esses dados, conseguiremos saber o conteúdo certo que irá converter, posteriormente, esse público em clientes.

Passo 2: o alcance.
A partir do plano, você vai ter um conteúdo bom e, com isso, conseguirá começar a atrair negócios/pessoas para o seu canal de comunicação. E como conseguir que esse alcance seja alto? Quanto mais links pela internet melhor. Isso representa mais gente clicando, e consequentemente, entrando em contato com seu conteúdo. Manter o blog e o site atualizados é um dos pontos mais importantes para que as ferramentas de pesquisa deem maior prioridade aos seus canais. E nunca se esqueça, o conteúdo a ser disponibilizado tem de ser relevante para o seu público. Se não for suficiente para alcançar seu cliente, é válida a opção de utilizar mídia paga.

Passo 3: os leads.
É nesse passo que acontece a primeira conversão do seu público em leads. E o que é um lead? É o possível cliente. Aquele que nós sabemos que existe, que gosta do que fazemos e que já tem uma certa tendência a comprar da gente. Pra que essa compra efetivamente ocorra é preciso fazer a conversão. Ela é feita com o que chamamos de “recompensa digital”, um tipo de oferta irresistível, fazendo que conteúdo de qualidade de graça seja disponibilizado, desde que a pessoa deixe algum tipo de informação que pode ser útil no próximo passo.

Passo 4: os clientes.
Nesse passo vamos nutrir a oportunidade de negócio. Vamos pegar esses leads que estão interessados e levá-los até a compra. Depois de ter o contato (no último passo, lembra?), teremos o conteúdo pelo qual ele se interessou e, com isso, teremos a área de interesse dele. Agora vem a chave de tudo: o diálogo. Perguntar, interagir sobre o conteúdo, sempre no sentido de pessoa-pessoa, humanizando assim o contato. Mantido esse contato, o lead vai perceber que você é bom naquilo que fala e, ainda mais importante, no que faz e estará, sem dúvidas, mais apta a comprar de você. Nunca se esqueça de sempre disponibilizar conteúdo dinâmico e personalizado para cada tipo de cliente e segmento de mercado. O diálogo tem de ser mantido de forma saudável. Por exemplo, de todo conteúdo que é mandado ao possível cliente, menos de um quinto do conteúdo deve ser de venda, o restante tem de ser conteúdo de qualidade e interesse dele.

Passo 5: os advocates.
Depois de ter conquistado seu cliente, você não pode parar por aí. Você tem que fazer uma parceria “emocional” com ele. O objetivo é não ser lembrado apenas como um prestador de serviços/vendedor, e sim como um parceiro de negócio. Você vai conquistar um cliente promotor, que compra de novo, e ainda dá lucro indireto à empresa. Pense em promoções. Pense em como fazer, agora, o seu cliente criar o conteúdo para você, clientes que façam nosso marketing por nós. Por exemplo, a marca GoPro criou um tipo de publicidade em que os usuários das suas câmeras colocam seus vídeos no site deles e esses vídeos são votados entre os próprios internautas. Ou seja, um cliente gerou conteúdo para você e é você que colhe os frutos disso.

O Inboung Marketing é a ferramente de marketing do futuro, que está acontecendo hoje. Contato humanizado com o cliente, interação efetiva que seja boa pros dois lados, que traga valor ao cliente. Que cada negócio realizado seja a melhor experiência que ele já teve.

Sobre - Ramon Sala

Graduando em Ciência da computação, conselheiro multiplicador da FEJEMG, e Diretor Comercial da No Bugs. Se interessa por empreendedorismo, e é daí que surgiu o gosto por mercado e negócios. Tenta focar em uma só área de interesse, mas sua indecisão nata não o deixa, e acaba procurando saber sobre tudo. "Sometimes we spend more time than we should defending the old thing, instead of working to take advantage of the new thing." Seth Godin

Veja também...

1 Comentário

  1. Aline disse:

    Gostei muito do artigo!
    Muito útil!
    Parabéns, Ramon! 🙂

Deixe o seu comentário!