Entrevista – Ronnan del Rey

ronnanentrevista 5 de maio de 2012 2 Comentários Postado por João Paulo

Nome: Ronnan del Rey Ramos de Melo

Idade: 27 anos

Ano de graduação: Turma 2003/2007

O que faz: Diretor da Aceleradora de Empresas (www.aceleradoradeempresa.com.br), empreendedor com mais de 50 clientes pessoais no desenvolvimento de websites e sistemas web.

Contatos: http://www.linkedin.com/ronnandr | http://www.facebook.com/ronnandr

– O que te levou a pensar em entrar na No Bugs? 

Sempre quis ter a própria empresa e sabia que seria o ótima experiência.

– Conte-nos um pouco sobre sua história na No Bugs: (Quantidade de vezes em que tentou o processo seletivo, ano de ingresso, cargos ocupados e quanto tempo ficou na empresa)

Eu fiquei na empresa por 3 anos, mas de forma bem intensa. Logo no primeiro mês fui convidado a participar da reunião da Fejemg e não larguei mais o MEJ. Os cargos: Trainee, membro do Dpto. de Marketing, presidência, presidência do conselho, representante da FEJEMG, assessor da presidência da Brasil Jr.

– Agora conte-nos sobre sua história no MEJ. (Reuniões, encontros, se chegou a ocupar algum cargo)

Como disse acima participei no MEJ por 3 anos, indo em diversas reuniões da Fejemg com decisões importantes. Sempre próximo a presidência e no último ano fui indicado para tal cargo, mas tive que recusar por estar focado na formatura. Fui assessor na Brasil Jr, participei de 3 EMEJ e 1 ESEJ, tive o azar de perder todos os ENEJs. “MEJ é um amor que ainda cultivo”. Gosto de palestrar. Fui mediador da mesa redonda do EMEJ Juiz de Fora 2008, palestrei no EMEJ Viçosa 2010 e diversos outros eventos, sempre falando sobre “Sucesso”, “Motivação”, “Mercado de Trabalho”, etc.

– Qual foi a sua maior conquista com a No Bugs?

Criei o “Fórum de Discussão Online como Gestão do Conhecimento” que fiz difundir implantando na Fejemg e vencendo o Prêmio Fejemg (até aquele momento impossível sair das mãos da Campe e UCJ), case no EMEJ, ESEJ e apresentado no COMEJ pelo Gabriel Chequer. Última pesquisa que fiz, todas as empresas federadas usavam o fórum. Até hoje meu nome é lembrado como o “Ronnan do Fórum”.

– Durante seu período na No Bugs/MEJ, você conseguiu criar uma boa rede de contatos com empresários júniores?

Extremamente grande e importante. Todos os meus contatos atualmente ocupam grandes cargos. Tive o prazer de encontrar boa parte este ano e é excelente ter estes amigos até hoje.

– Essa rede trouxe algum resultado na sua vida pós-MEJ?

Ainda não precisei utilizá-los diretamente na minha carreira, mas saber que existe a possibilidade gera um ótimo conforto. Alguns já realizaram pequenos projetos comigo, como website e sistemas.

– Como foi sua primeira experiência profissional após sair da No Bugs?

Criei minha própria empresa, casei, mudei para Juiz de Fora e tive uma filha (risos). Em menos de 1 ano! Por 12 meses sustentei minha família trabalhando em casa, usando a experiência da No Bugs e os clientes que eu já tinha conquistado no período da Graduação. Depois resolvi procurar um emprego fixo para ter experiência e em 3 meses fui ao cargo de Gerente de Projetos pela facilidade de gerenciar equipe, prazos, atender clientes e saber prioridades.

– O que a No Bugs agregou para sua você como profissional? Você sentiu que essa experiência serviu de algum modo para ingressar no mercado de trabalho?

É essencial. Noventa e cinco por cento do conhecimento que utilizo hoje foi adquirido lá. Você tem que saber conversar com o cliente, dar prazos, dar preço de um determinado serviço, e isso tudo são dúvidas que você tem quando entra na empresa e aos poucos vai aprendendo. É importante saber diferenciar e atender de formas diferentes clientes com conhecimentos específicos diferentes. Eu tive muitas falhas na empresa júnior e agora que não posso errar não as cometo mais. Além disso, os projetos que fiz na No Bugs me deram credibilidade, isso contou para que eu pegasse mais projetos.

– Como você acha que é visto um profissional que tem a No Bugs no currículo? Até que ponto isso faz diferença?

É uma ilusão pensar que por no currículo que já trabalhou na empresa júnior vai te colocar lá dentro. Ajuda, mas se seu concorrente tiver uma certificação ele vai estar à frente. Mas dentro da empresa faz muita diferença. O cara que só programa vai ser sempre programador, já o que tem outras experiências tende a crescer muito mais na empresa.

– Você ainda acompanha – mesmo que não frequentemente – o andamento da No Bugs?  

Acompanhei de perto muitos anos, enquanto conheci membros. Atualmente vejo apenas notícias e comentários de amigos que ainda estão no MEJ.

– Deixe um recado para os nossos leitores e atuais colaboradores.

Aproveitem bem os pequenos detalhes, são eles que fazem a diferença. Não é necessário esperar aparecer um projeto para começar a trabalhar. Entre para poder administrar e depois programar. Antes de querer algo da empresa, dê algo a ela! O retorno será automático. Se você faz suas tarefas, você aprende muito mais e tenha certeza que os projetos virão.


Sobre - João Paulo

Graduando em Ciência da Computação na Universidade Federal de Viçosa, empresário júnior, Conselheiro Consultivo da No Bugs, Gerente de Alinhamento e Excelência da CEEMPRE e apaixonado por empreendedorismo. Contatos pelo facebook ou por e-mail.

Veja também...

2 Comentários

  1. Ronnan del Rey disse:

    Excelente iniciativa e ficou show o Blog! Prazer enorme inaugurar as entrevistas, mas tenho muito mais a falar do que está escrito aí, bora marcar uma palestra na No Bugs para trocarmos umas ideias com esta galera boa!

    • João Paulo disse:

      Com certeza Ronnan! O convite será feito de forma oficial em breve! 🙂
      E o prazer é todo nosso de compartilhar da sua experiência com nossa empresa e com todos os leitores. Grande abraço.

Deixe o seu comentário!